terça-feira, 25 de maio de 2010

XI - Março de 2004

      

     Sim. Você não cobra das suas mulheres. E eu sei a razão. Você não cobra porque você escolhe apenas as mulheres que cabem no seu tamanho. Mulheres que não possuem suas próprias medidas nem para estar com você e tão pouco em suas próprias vidas. Pobres mulheres desorientadas! E você se sente à vontade. Não precisa pensar no que falar, no que vestir, no que explicar ou mesmo se comportar, não é?, você aparece quando quer e na hora que quer. E você não passou a vida fazendo isso apenas com as suas "grandes amigas", fez com os amigos também. Marcava encontro e não aparecia. Você não sabe que eu sei, e nem deve se lembrar deste fato - lembra-se de quando me disse "memória seletiva"?- certa vez, se encontrou com uma amiga no clube. Disse a ela que havia filhotinhos em sua casa, filhotes dos seus cães. Ela foi com você ver os cachorros. Quando chegaram na casa dos seus pais - você ainda morava com eles - você a deixou vendo a ninhada. E deixou mesmo! Sumiu. Saiu pela porta da rua sem ao menos dizer adeus. E foram muitos os amigos que sofreram em suas mãos. O homem que sumia! Quantas pessoas você deixou esperando-o ?
     Porque a sua preocupação é sumir com o feio que você pensa ter. Porque você se sente um homem de mau gosto, que não deveria ser tão alto, que não deveria ser do jeito que se vê no espelho: suas mãos, seus pés, sua pele, sua altura, tudo é uma carga que você carrega mas não queria ter que fazê-lo. Você gostaria de arrancar tudo e refazer, renascer; como se a vida fosse tomar outro rumo no momento em que você se dispusesse de tudo isso, mas são coisas indisponíveis e ninguém consegue se dispor das suas origens.
     No começo, quando nos conhecemos, eu pensava ser você um indiferente, alienado. Com o passar dos anos, eu via desprezo em seus olhos, no jeito que dava as costas e partia. Mas, eu estive em contato com Dr. J por longo tempo e aprendi muita coisa. Aprendi muito também enquanto meu mundo girava em torno do meu umbigo. Eu mantinha atenção fixa nele, no meu umbigo, e acabei por descobrir as minhas idiossincrasias e as alheias. Nós jamais seríamos um casal feliz. Somos opostos: você tão grande por fora e tão pequeno em seu "complexo de inferioridade"; e eu, tão pequena por fora e enorme por dentro. Dr. J me ensinou que está fora de moda a expressão "complexo de inferioridade ou de superioridade". Hoje, se fala em alta autoestima ou baixa autoestima.
     Como é que pode? Estranho, não é? Depois de tudo que lhe contei, como é que eu poderia ter alta autoestima? É claro que Dr. J não me disse isso no início do tratamento. Ele esperou o meu tempo de maceração. Esperou que eu afrouxasse os nós, desfizesse os laços, me entregasse às minhas próprias descobertas. Porque eu já não era um ser sozinho vasculhando o meu umbigo entulhado de dogmas ou incertezas. Eu era um ser acompanhado por alguém que sabia o que estava fazendo. Como dizer para uma pessoa doente, angustiada e mergulhada em dúvidas e revoltas íntimas; sufocada durante anos pelo sentimento de medo, repleta de desacertos e insucessos, a verdade de que ela mesma se jogou naquilo? É claro que eu já sabia tudo sobre noradrenalina e seus desequilíbrios, já estava ciente de que eu tinha um mal físico desencadeado por uma desordem nas minhas fibras nervosas. Quando ele me fez a revelação, eu já sabia e ele sabia que eu sabia. Eu não podia chorar, senão era fraca; eu não podia pedir porque significava humilhação; eu não podia abraçar porque o meu trono era mais no alto e ficava difícil descer. Eu não me permitia letra feia, nota feia, cara feia. Precisei alcançar o tempo da compreensão. Entender que eu era apenas uma pessoa que podia ou não pecar, podia ou não ter certezas, mas eu continuaria sempre do mesmo tamanho com a mesma qualidade, não importando as minhas escolhas. 
     E você? O que é que você tem? Por que é que tem? Nós dois sabemos. Repito: você tem sentimento de inferioridade. Muito engraçado. Nós em polos opostos. Nossa velha antagonia. Estamos nós, no meio de dois fenômenos psicológicos aparentemente opostos e antagônicos. Porém, num certo momento, eles quase que se igualam, pois os resultados e consequências são parecidos. Quando eu fiz a análise grafológica da sua letra, você confirmou o que eu disse. Mas parece apenas tudo muito teórico, não? Mas não é. Você, quando esnoba as mulheres, parentes e amigos, não dizendo aonde vai, porque vai, não se importando em descumprir sem avisar compromissos previamente marcados e dados como certos; quando você parece guardar mistérios, e se faz calado, de poucas palavras; quando você não responde de forma clara, diz coisas andando, sem olhar nos olhos; quando você sai por aí sem dar ouvido a conselhos amigos de pessoas sensatas; quando você demonstra preciosismo para com você mesmo, você na realidade está tentando esconder sua baixa autoestima. Então você demonstra superioridade. Mas não convence a mim. Na realidade, você faz tudo de tal forma para parecer que é o mais perfeito, o mais amigo, o mais leal, o mais amoroso, o mais atencioso. Que você não tem rachaduras na alma. Porque você, assim como eu fui, não quer ser revelado, posto às claras para todo mundo ver. Eu só podia mostrar belezas. Você não pode mostrar feiuras. Não pode deixar o outro ver que você se sente do tamanho da sua letra: minúsculo. E assim, permanecemos iguais.