sábado, 8 de dezembro de 2018

Se você não é doente, a tristeza da sua vida é culpa sua.


Dez anos!




Em dez dias, levantarei um voo solitário, eu comigo mesma, a minha melhor companhia. Terei tempo para vislumbrar a porta dos últimos dez anos fechada. A porta das minhas vitórias porque até quando eu perdia, eu estava ganhando. Cumpri meu trato feito silenciosamente através dos meus atos. Fiz a minha parte. Não fui omissa, não negligenciei, não idolatrei deuses de mentira. Fui atrás das minhas certezas, mesmo que isso ofendesse alguém. Cedi mais vezes do que eu queria. Cobrei de mim mesma com diligência e amor. Amei. Amei. Amei. Fui brava e rebelde, surtei. Xinguei muito. Ameacei. Cumpri ameaças. Continuei a menina de sempre, cheia de críticas e com pensamento reto. Fui doce com quem mereceu a minha doçura. Afastei-me das pessoas que só reclamam e debocham porque não sabem dar cabo de seus próprios destinos. Dez anos vitoriosos. Moro onde alguns passeiam. Continuo sorrindo. Sou um brinquedo de Deus, mas ser brinquedo dEle é honroso e bom. Continuo Suzana. Não me vendi. Não me enganei. Não me perdi. Sou genuinamente feliz. Dez anos, mãe, obrigada!

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Retorno

Image may contain: one or more people
(arquivo de Suzana Guimarães)

Retorno sempre como se retorna à casa dos pais. Assim como retorna o faminto onde tem algum pão, mesmo que partido e esmigalhado. Volto. Volto com olhar de espera. Como se espera na fila do hospital, na hora da hóstia, no caminho estreito debaixo da cidade velha, na esperança de se encontrar luz. Cegos não veem, mas sabem para onde ir. Volto para olhar de novo. Volto como se retorna à cidade da infância, à escola mais querida, ao retrato velho.

Volto porque quero. Volto cego sem desejo de leitura, enlace sem união, corpo sem tempo. Volto. Volto sem desejo de prece, sem palavras, compromisso, diálogo, sem dolo, somente volto, assim como volta o pássaro para casa ao fim da tarde, sem pensamento, sem canto.


Suzana Guimarães



terça-feira, 27 de novembro de 2018

Falando sobre hirestectomia...



Há um ano e um mês, exatamente isso, eu passei por uma hirestectomia. Li muito antes, durante e depois sobre essa cirurgia, mas não cheguei nem perto do que é a realidade. Eu tão já acostumada com emergências em hospitais, com a rotina do pré, durante e pós... eu tão certa da minha força para lidar com minhas mazelas... eu tão eu sendo Suzana... vejo-me, toco-me, sinto-me outra. Até quando, meu Deus? Meu corpo não funciona mais como antes, embora não sinta mais enxaquecas, dores de cabeça e cólicas, embora a minha pele esteja bonita. A carência dos hormônios que perdi com a cirurgia é a ordem dos meus dias. Não tenho libido, engordei oito quilos, não tenho força e disposição. Ainda tenho suores, embora os remédios e os suplementos vitamínicos que tomo diariamente. Ainda não consegui fazer uma alimentação equilibrada. Ainda não voltei. Estou no planeta Marte! Caminho para me ajudar, mas longe estou daquela que lutava jiu jitsu. 

E os dias se vão...

Ajudo-me, ajudo-me pela manhã, tarde e noite. Salvo-me. Ah, se as pessoas soubessem como estou me sentindo... 

Amanhã, estarei melhor. Espero. Vou viajar. Vou para a América do Sul. Vou ver minha mãe. Onde está a minha mãe?




Texto publicado originalmente em: clica aqui

terça-feira, 20 de novembro de 2018


O amor separa os amantes.

Assis Freitas

segunda-feira, 19 de novembro de 2018


Não tomo Rivotril (clonazepam) desde 19 de fevereiro deste ano. Comecei a tomá-lo em outubro de 1995.

Pensei que não fosse conseguir retirá-lo até o dia em que tive um sonho: eu estava sentada diante de uma mesa de madeira, diante de R., no Marine da minha cidade. A minha boca estava cheia de comprimidos de Rivotril e eu tinha medo de engoli-los, mas, apesar do medo, eu não quis cuspi-los... eu os retirei um a um da boca... vagarosamente, paulatinamente, suave caminho da minha redenção, foi assim, devagar, lentamente... para nunca mais...

Ainda guardo frascos deles comigo, levo-os em minhas viagens...

Mas não me lembro mais, não preciso, não quero, não sinto falta...

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Nadas


Nadas

Porque não me disseste: para
porque não me disseste: chega,
porque não me disseste: parte,
eu fui ficando a teu lado,
levando adiante o acabado,
amando loucamente o desamor,
me desintegrando pelos cantos,
te vendo cada vez mais transparente
até nos tornarmos dois nadas.

*** Tuca Zamagna

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

terça-feira, 16 de outubro de 2018

NÃO AMO MAIS


Image may contain: one or more people and closeup
(arquivo pessoal de Suzana Guimarães)




Aquele amor que eu tinha pelas pessoas morreu, transformou-se em ampla compreensão, passei a entender todos sob os seus pontos de vista, embora nunca em detrimento do meu amor próprio, mas aquele amor morreu.

Acredito que tenho amor amplo, pelo todo, e profundo e sem chances de estrago por meus filhos. E só.

Excetuando meus filhos, não amo mais ninguém, compreendo, entretanto e sempre, entendo, oro por muitos que nem conheço, dou atenção, ajudo, amparo, apoio, mas aquele amor morreu.

Não sei bem quando foi, com certeza, não foi de morte súbita. Arrastou-se coitado indigente faminto antes de se extinguir.

Não me importo. Olho as pessoas friamente, quando vistas individualmente, embora ame o todo. 

Não me iludo mais. Não espero. Não quero. Só compreendo.

Não tenho rancores, apenas sigo, em paz, tão estranhamente em paz que até me estranho. Mas sou eu, sobrevivente de inúmeros incidentes e acidentes. 

Sinto minha respiração controlada, meus nervos seguros, meu passo firme e sigo adiante... alegremente por não mais sofrer de amor, não ter amor, não me importar com quantidades ou qualidades dele.

Compreendo, podem esperar isso de mim, mas não amo mais. 

Aquele amor morreu.



(Suzana Guimarães)

domingo, 14 de outubro de 2018


Não pode responder agora, então vai.
Não pode ler agora, então vai.
Só pode ficar até tal hora, então vai.
Tem apenas trinta minutos, então vai. 
Tem agenda corrida, então vai.

Só não sei bem por que você veio.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Os ombros suportam o mundo.


“Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.”

Carlos Drummond de Andrade.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018


Àqueles que gostam de ler meus blogs: Parei de escrever e não é por falta de vontade ou inspiração. Há muitos meses, perdi minha mesa na posição adequada, meu laptop (atualmente está dentro do armário de roupas), a visão que eu tinha, o sossego, uma certa rotina... isso tudo e o bater dos meus dedos no teclado impulsionavam a minha inspiração e por consequência a minha escrita.

Eu me mudei de endereço duas vezes em exato um ano, passei por uma cirurgia de recuperação demorada, fiquei semanas com a minha mãe e até hoje não alcancei meu laptop. Minhas constantes frases soltas são digitadas com um dedo (o médio) no meu IPad. Não tenho mais meu canto. É preciso certa estrutura material...

Beijos!

sexta-feira, 7 de setembro de 2018



Surto por nascença, por mania e porque não funciono bem diante de pessoas covardes, fracas e medrosas. Isso é irônico, meu blog se chama O Medo de Suzana... entretanto, Suzana se tratou. O blog deveria se chamar A Corajosa Suzana. Doa a quem doer... Realmente, com gente fraca só lido por caridade. 

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Não tenho pudores para dizer o que penso sobre aquilo que me dizem ao pé do ouvido. Por que as pessoas são tão contidas? Escuto e leio barbaridades que nunca serão divulgadas. Eu fui assim quando era criança, receiosa, contida, medrosa. Pra quê?

Aprendi a pular fora de tudo que é tóxico. Comecei pelo Rivotril. Se pude com ele, posso com qualquer coisa ou pessoa.


sábado, 30 de junho de 2018


Serena e descansa...

Assim eu me despedi de você, my darling... um ano se foi e eu não me esqueci; nem você. Pedi um sinal e você me deu dois.

Venta em breves segundos. Vento frio, rápido, refrescante. Assim deve ser você agora, intocável, etéreo, sopro de anjo, asas de Deuses... um afago no meu corpo esperançoso - aos vivos esse desconforto, as urgências, a calamidade de ser só.

A árvore do quintal gargalhou satisfeita, parecia prenúncio de tempestade, mas o céu firmou-se mais azul, por alguns segundos eu entendi a brevidade da sua dor diante da infinidade, sim, seu nome...

Volta sempre. Beija meu rosto... serena essas dores todas...


terça-feira, 13 de março de 2018


Quanto mais eu me aprofundo, mais descubro que o passado em nada me interessa.
Tudo virou bibelôs de vidro...


domingo, 11 de março de 2018

A lealdade é doce



Nunca fomos de todo amigas, mas quando foi preciso, ela foi leal a mim. Certas coisas, eu não apago ou esqueço, permanecem. A lealdade transforma o amargo em doçura. Fica a lembrança. Fica a gratidão. Não sou eternamente grata, há como se pagar quase tudo, menos lealdade.