sábado, 29 de agosto de 2015


Ontem, voando por sobre o Panamá, avião preparando-se para aterrisar, eu vi o mar, as ilhas, o Sol se pondo - já que agora meus filhos permitem-me o assento ao lado da janela -, eu vi a Terra em sua forma redonda, aquela coisa "Seria o céu um mar?", eu vi cores e as vibrações nas águas, vi também nenhum ser animal, vi apenas o universo e entendi naquele instante, de forma muito clara, que morrer ali não seria nunca desespero ou tristeza, e, sim, apenas esplendor. Pensei, "Se eu morresse agora, morreria feliz, feliz...". Um molhado nos olhos só confirmava. Eu tenho medo é de morrer na ignorância.

Suzana Guimarães