quarta-feira, 28 de junho de 2017

Amante da verdade, decidi me casar com o amor.



"A verdade dói o amor também." (Rosi Alves)

Eu somava, juntava os pares, estava decidida a entender o que crescia silenciosamente em mim, talvez, uma consciência maior. Após assertivas mudanças, a gente descobre nossos hiatos, aquelas partes que ficaram sem compreensão... Eu descobri num dia qualquer, sem fazer esforço, suavemente, como um agrado, um toque na alma, descobri que a minha tão adorada e excelente memória passou a prejudicar-me, então, o melhor a fazer é deixá-la um pouco de lado, melhor, talvez, esquecê-la. E por que não? Eu mesma serei esquecida após a minha morte. Eu sou esquecida o tempo todo para ser mais exata. E em inúmeros momentos, desejo inclusive esquecer-me.

Amante da verdade, decidi me casar com o amor. Quando foi que eu passei a entender que um é sinônimo do outro? Nunca foram!

Sem desprezar a verdade e​ sem renegar a minha tão querida memória, dou-me de presente o amor. "A verdade dói o amor também". A Rose escreveu essa frase e eu que vinha pensando, desgastando-me atrás de uma equação mais feliz em minha vida, decidi esquecer que é o mesmo que parar de somar ou multiplicar.

Decidi então casar-me com o amor e que se dane o que passou. Ótima memória, uma verdadeira calculadora bem incrementada, com luzinhas coloridas, musiquinhas, fitinhas de lembrança... só está servindo mesmo (se é que algum dia serviu bem) para punir-me eu mesma o tempo todo. Uma engenhoca travada em acontecimentos passados que me faz infeliz.

Essas verdades passadas estão machucando o meu amor. Daqui a pouco, não amarei mais ninguém. É questão de salvação. Toda verdade liberta, mas a memória parece encarcerar a vida. Pior de tudo, parece machucar o amor.


Por Suzana Guimarães


(Nota: continuo em férias)