quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

No inverno, chove.


Chove há dias... chuva fina, chatinha, constante, silenciosa. Sinto falta das chuvas tropicais, dos excessos, dos relâmpagos, raios e do caos que se instala; do barulho que vem junto e faz as rezadeiras pegarem em seus terços, pedindo a Deus para não acabar com este mundo porque ainda há os pecadores... Da janela dos quartos da casa, busco ansiosa por ela, mas cai fina e muito raramente bate no chão em escândalo. E quando bate, conta a minha história em minutos, posso então ver nas poças o filme da minha vida. Sou uma mulher tropical, sou quente, sou das águas, sou tudo aquilo que uma chatinha chuva, constante e frígida, não consegue alcançar. Salvo nos pingos grossos, como que a pedir-me desculpas.

Mas é tudo o que tenho e é tudo o que me resta... então, amanhã estarei novamente, nas ruas, enquanto dirijo, enquanto aspiro seus ares, curando meus machucados... alma aflita que se perdeu na América para sempre fria. E chatinha.


Suzana Guimarães