segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

(por SCG, via celular)


(...) em pé, no chão, balança as enormes asas, mas não levanta voo porque não sabe como. Eu, sempre diante de um precipício, sem asas, atirando-me. 

Deus, Deus, dá-me asas!


Suzana Guimarães